2017/07/23

A Condenação de Lula Vista à Lupa Por Professor Universitário Brasileiro

A "Condenação" (condenação porque não se pode chamar "sentença" àquela porcaria) de Luis Inácio da Silva "Lula", ex-Presidente do Brasil, Vista à Lupa Pelo Professor Universitário Brasileiro, Marcos César Danhoni Neves.

A condenação foi redigida por um verme nojento a que deram o nome de Sérgio Moro... 
E tem semelhanças gritantes com todas as prosas judiciais, incluindo sentença, produzidas aqui em Portugal, no Processo Casa Pia.
Isto serve para justificar o facto de ter copiado o Texto para aqui...
E serve também para dizer que existem muitos vermezinhos semelhantes nas nossas instâncias judiciais.
E quando este tipo de coisas abomináveis, perversas, infames, destruidoras da Humanidade acontecem um pouco por todo o Mundo, desprezando os mais altos valores da Humanidade, temos de pensar numa influência e "domínio" invisível e perverso; temos de pensar nos "Illuminati" e seus tentáculos...
E temos de concluir que a receita para acabar com isto está também EM USARMOS o nosso PODER invisível mas INFINITO.
RAIOS PARTAM todas essas infâmias, as crenças absurdas que as criaram, a estupidez e a ignorância (generalizadas) que as alimentam... 
RAIOS PARTAM, FULMINEM, VOLATIZEM, DESINTEGREM sobretudo as abominações materializadas (sub-produto das crenças absurdas), com forma humano ou outra, que pretendem dominar o Mundo e destruir a Humanidade. RAIOS PARTAM!
O Universo tem de ser instruído, rapidamente e energicamente, para acabar com tudo isso, para que se CUMPRA DEUS e se cumpra a HUMANIDADE.
CUMPRA-SE!





Copiado duma publicação no FB...
«»
Muito bom. Excelente. Leiam.
Por Marcos César Danhoni Neves
Na Revista Fórum
Sou professor titular de Física numa universidade pública (Universidade Estadual de Maringá-UEM) desde 2001 e docente e pesquisador há quase 30 anos. Sou especialista em história e epistemologia da ciência, educação científica, além de processos de ensino-aprendizagem e análise de discursos.
Orientei mais de 250 alunos de graduação, especialização, mestrado, doutorado e pós-doutorado, além de professores in-service. Conto tudo isso, como preâmbulo, não para me gabar, mas para salientar que li milhares de páginas de alunos brilhantes, medianos e regulares em suas argumentações de pesquisa.
Dito isso, passo a analisar duas pessoas que compõem o imaginário mítico-heróico de nossa contemporaneidade nacional: Sérgio Moro e Deltan Dallagnol.
Em relação ao primeiro, Moro, trabalhei ativamente para impedir, junto com um coletivo de outros colegas, para que não recebesse o título de Doutor honoris causa pela Universidade Estadual de Maringá.
Moro tem um currículo péssimo: uma página no sistema Lattes (do CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico ligado ao extinto MCT – Ministério da Ciência e Tecnologia). Lista somente 4 livros e 5 artigos publicados.
Mesmo sua formação acadêmica é estranha: mestrado e doutorado obtidos em três anos. Isso precisaria ser investigado, pois a formação mínima regulada pela CAPES-MEC (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Ministério da Educação) é de 24 meses para Mestrado e 48 meses para o Doutorado.
Significa que “algo” ocorreu nessa formação apressada.. Que “algo” é esse, é necessário apurar com rigor jurídico.
Além de analisar a vida acadêmica de Moro para impedir que ele recebesse um título que não merecia, analisei também um trabalho seminal que ele traduziu: “O uso de um criminoso como testemunha: um problema especial”, de Stephen S. Trott.
Mostrei que Moro não entendeu nada do que traduziu sobre delação premiada e não seguiu nada das cautelas apresentadas pelos casos daquele artigo.
Se seguirmos o texto de mais de 200 páginas da condenação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e guiando-me pela minha experiência em pesquisa qualitativa, análise de discurso e fenomenologia, notamos claramente que parte significativa do texto consiste em Moro tentar apagar suas digitais, sem sucesso, ao desdizer que agiu com imparcialidade.
Nestas páginas robustas lemos uma declaração clara de culpa: Moro considera a parte da defesa de Lula em menos de 1% do texto total! E dos mais de 900 parágrafos, somente nos cinco finais alinhava sua denúncia e sentença sem provas baseada num misto frankensteiniano de “explanacionismo” (uma “doutrina” jurídica personalíssima criada por Deltan Dallagnol) e “teoria do domínio do fato”, ou seja, sentença exarada sobre ilações, somente.
Aqui uso a minha experiência como professor e pesquisador: quando um estudante escreve um texto (TCC, monografia, dissertação, tese, capítulo de livro, livro, ensaio, artigo), considero o trabalho muito bom quando a conclusão é robusta e costura de forma clara e argumentativa as premissas, a metodologia e as limitações do modelo adotado de investigação.
Dissertações e teses que finalizam com duas ou três páginas demonstram uma análise rápida, superficial e incompetente. Estas reprovo imediatamente. Não quero investigadores apressados, superficiais!
Se Moro fosse meu aluno, eu o teria reprovado com esta sentença ridícula e persecutória. Mal disfarçou sua pressa em liquidar sua vítima.
Em relação a outro personagem, o também vendedor de palestras Deltan Dallagnol, há muito o que se dizer. Angariou um título de doutor honoris causanuma faculdade privada cujo dono está sendo processado por falcatruas que o MP deveria investigar.
O promotor Dallagnol não seguiu uma única oitiva das testemunhas de defesa e acusação de Lula, além daquela do próprio ex-presidente.
Eu trabalho em pós-graduações stricto sensu de duas universidades públicas: uma em Maringá e outra em Ponta Grossa. Graças a isso fui contactado por meio de um coletivo para averiguar a dúvida sobre a compra por parte de Dallagnol de apartamentos do Programa Minha Casa Minha Vida em condomínio próximo à UEPG (Universidade Estadual de Ponta Grossa).
Visitei os imóveis guiado por uma corretora e me dirigi ao Cartório de Registro de Imóveis da cidade. Após algumas semanas, a resposta: os dois apartamentos modestíssimos, destinados a gente pobre, tinham sido adquiridos pelo Promotor e estavam à venda com um lucro líquido em menos de um ano de aquisição de 135 mil reais.
Reuni o material e disponibilizei para a imprensa livre (aqui a matéria do DCM). O promotor teve que admitir que comprou os apartamentos para ganhar dinheiro na especulação imobiliária, sem resquícios de culpa ou de valores morais em ter adquirido imóveis destinados a famílias com renda de até R$ 6.500,00 (Deltan chegou a ganhar mais de R$ 80.000,00 de salários – além do teto constitucional, de cerca de R$ 35.000,00; e mais de R$ 220.000,00 em suas suspeitosas palestras).
Bom, analisando os discursos de Dallagnol, notamos claramente a carga de preconceito que o fez construir uma “doutrina” de nome exótico, o “explanacionismo”, para obter a condenação de um acusado sem prova de crime.
Chega a usar de forma cosmética uma teoria de probabilidade – o bayesianismo – que ele nem sequer conhece ao defender a relativização do conceito de prova: vale seu auto-de-fé a qualquer materialidade de prova, corrompendo os princípios basilares do Direito.
Como meu aluno, ou candidato a uma banca de defesa, eu também o teria reprovado: apressado, superficial e sem argumentação lógica.
Resumindo: Dallagnol e Moro ainda vestem fraldas na ciência do Direito. São guiados por preconceitos e pela cegueira da política sobre o Jurídico.
Quando tornei-me professor titular aos 38 anos, eu o fiz baseado numa obra maturada em dezenas e dezenas de artigos, livros, capítulos, orientações de estudantes e coordenações de projetos de pesquisa.
Infelizmente, estes dois personagens de nossa República contemporânea seriam reprovados em qualquer universidade séria por apresentar teses tão esdrúxulas, pouco argumentativas e vazias de provas. Mas a “Justiça” brasileira está arquitetada sobre o princípio da incompetência, da vilania e do desprezo à Democracia.
Neste contexto, Moro e Dallagnol se consagram como “heróis” de papel que ficariam muito bem sob a custódia de um Mussolini ou de Roland Freisler, que era o presidente do Volksgerichtshof, o Tribunal Popular da Alemanha nazista. 
Estamos sob o domínio do medo e do neo-integralismo brasileiro.
«»
*Marcos César Danhoni Neves é professor titular da Universidade Estadual de Maringá e autor do livro “Do Infinito, do Mínimo e da Inquisição em Giordano Bruno”, entre outras obras
«»«»



«»«»«»«»«»
 APELO!
Participação Cívica e Direitos Fundamentais:
-- Petição Para Valoração da Abstenção --- Assine a petição AQUI ou AQUI, ou AQUI, ou AQUI (Nota: Alguns dos sites "linkados" começaram por boicotar a petição impedindo as pessoas de assinar e, mais recentemente, suprimiram a página com as assinaturas. Apenas "Gopetition" se mantém acessível sempre) «»«» -- Denúncia de Agressão Policial --- Com actualizações AQUI e AQUI «»»»»»»»

2017/07/01

Desfazendo Equívocos e Desmistificando Crenças Absurdas

Desfazendo Equívocos e Desmistificando Crenças Absurdas
«»


Publiquei, há dias, um texto sobre Jó... e fiz afirmações que a alguns podem surpreender; outros certamente não concordam e haverá também os que ficam escandalizados... Acreditemos que cresce rapidamente o número do que entendem, na íntegra... e "aproveitam" o meu esforço.
Desde que descobri que nasci embruxada (sofri horrores durante toda a minha vida) e percebi a forma de ACABAR com esse tipo de coisas, o meu propósito é fornecer pistas para que as pessoas percebam o que se passa no astral e saibam distinguir o certo do errado; saibam como se defender e preservar a sua CONDIÇÃO HUMANA...Saibam resolver os problemas da própria vida e ajudar a resolver os problemas do Mundo e da Humanidade.
Hoje vou contar uma história real que ilustra bem o que quero dizer e justifica os meus propósitos.
Uma pessoa que conheço, de educação e convicções profundamente cristãs (católicas), viu morrer, atropelado, um aninal de estimação que considerava excepcional. Enterrou-o no quintal e, no momento, teve a tentação de o "oferecer" à Terra, como sacrifício pelo bem estar e segurança da sua família...
Quando publiquei sobre a história de Jó eu disse que as entidades que aceitam sacrifícios (sofrimento, etc.) são entidades menores que nada têm que ver com as vibrações HUMANAS... são entidades estúpidas, obsessivas e insaciáveis... exactamente porque não sabem bem o que são... e também devida à sua "génese".
Esta história demonstra isso mesmo.
Depois de ter "oferecido" à Terra o animal, como sacrifício, a vida dessa pessoa complicou-se muito.
É uma pessoa que acha que recebe mensagens do astral... e recebe; mas é preciso saber distinguir se as mensagens do astral nos convêm (e elevam) ou não; se são boas ou más... A maioria das pessoas não consegue fazer essa distinção, mas é muito simples.
A dada altura essa pessoa estava preocupada com a imensidão de problemas do Mundo... e continuava a receber mensagens que não esclareciam nada... Tinha a sensação que alguém (ou algo) queria que fizesse alguma coisa mas não sabia o quê. E, num desses momentos de desânimo pensou isso mesmo: "o que é que eu faço?" (para ajudar a resolver os problemas à sua volta); recebeu uma "mensagem" assim: - "faz qualquer coisa; o que souberes e puderes com o que tiveres à mão... que algo há-de surgir... Consequentemente, pessoa rezava como lhe ensinaram...
Este tipo de contactos, que não esclarecem nada, são de rejeitar porque são de "entidades" estúpidas e ignorantes QUE NADA TÊM QUE VER COM AS VIBRAÇÕES HUMANAS.
Mas as "mensagens" persistiam e, numa dessas ocasiões, a "entidade" que a assediava decidiu ser mais explícita: essa pessoas manifestou ao astral as suas angústias dizendo (pensando): - "o que é que eu faço, meu Deus? Ajuda-me!".
Quando saiu e foi para pegar no carro, tinha a parte da frente toda amolgada, sem saber como nem quem... Ficou muito indignada e frustrada pensando que andava a trabalhar e a poupar para os outros estragarem...
Eu tenho um acordo com os anjos que garante também esse tipo de coisas e, francamente, se pedisse ajuda a um "deus" e me acontecesse uma coisa dessas esconjurava logo esse "deus" com RAIOS PARTAM e tudo o mais que me viesse à cabeça.
Mais! A partir das minhas experiências recentes e de tudo o que fui obrigada a aprender sobre essas questões, não tenho dúvidas em afirmar que foi a tal entidade (menor) que "recebeu" o sacrifício do animal de estimação que criou muitos dos problemas dessa pessoa e o do carro também para "angariar" mais sacrifícios (destinados a "resolver" esses problemas)...
«»
Eu também recebo mensagens (e outros "contactos") mas esconjuro a maioria das vezes... porque, enquano não sabia e não esconjurava, tive experiências muito desagradáveis...
Contudo, algumas mensagens são fidedignas.
Um exemplo: numa altura em que me debatia com uma dermatite persistente (e feia) numa perna (devido ao facto duma das bruxas malditas ter refeito um bruxedo), pensei: "Que absurdo! Isto melhora espectacularmente, depois piora, melhora outra vez... já passaram meses... estou saturada! Será que me adianta ir ao Hospital mostrar isto?"
Recebi uma mensagem assim: "Continua a tratar como até agora e ACREDITA! Em algum momento o teu organismo reage, ganha defesas e isso cura definitivamente.... E ASSIM ACONTECEU
«»
Portanto recomendo:
Quando invocar um Deus tenha cuidado... e certifique-e de que invoca realmente DEUS... sem sofrimentos, sem sacrifícios, sem dificuldades, sem problemas; em suma: sem "desígnios insondáveis"... e perversos! Nós existimos para ser felizes e é isso E SÓ ISSO que DEUS quer... ou então não é DEUS; é uma entidade enganadora e falsa!
Aprenda a "pedir" ajuda aos elementais (Fogo (SOL), Água (Lua); Terra, Ar (Vento) e o "Espírito" - o seu "espírito" em boa sintonia; não deixe nada ao acaso)... É muito mais seguro!




«»«»«»«»«»
 APELO! Participação Cívica e Direitos Fundamentais: -- Petição Para Valoração da Abstenção --- Assine a petição AQUI ou AQUI, ou AQUI, ou AQUI (Nota: Alguns dos sites "linkados" começaram por boicotar a petição impedindo as pessoas de assinar e, mais recentemente, suprimiram a página com as assinaturas. Apenas "Gopetition" se mantém acessível sempre) «»«» -- Denúncia de Agressão Policial --- Com actualizações AQUI e AQUI «»»»»»»»

2017/06/30

Jó Uma Lição de Particular Importância.

Jó; Uma Lição de Particular Importância... 
E um bom exemplo de como a Bíblia contém algumas pistas certas para a nossa (auto) libertação, mas com as interpretações todas ERRADAS!







Hoje fui visitada por 2 jovens, testemunhas de Jeová, que queriam entregar um convite para um congresso...
Recusei! Mas como elas ficaram à porta tocando para as diversas campaínhas, para "convidar" toda a gente, eu ia a sair e ficámos a conversar.
Não vou relatar a conversa porque não deu para aprender nada, nem dum lado nem do outro... As jovens estão completamente alienadas pelas ideias erradas que espalham e não entendem nem ouvem nada para além disso. Serve apenas como intróito para "dissecarmos" JÓ
Jó foi, segundo a Bíblia, um individuo rico que tinha tudo mas vivia praticando actos de culto (sacrifícios) altas horas da noite, para se redimir e redimir os prováveis erros dos seus filhos e filhas. Era um "feiticeiro", portanto. A história de Jó diz que deus teve uma conversa com o diabo, lhe falou de Jó com orgulho mas que o diabo pôs em causa tamanha fidelidade e, por isso, foi autorizado a moletar Jó e a sua família... para o "experimentar".
O facto é que Jó perdeu tudo: família, amigos, saúde, tudo... e aí virou-se contra o Universo... maldizendo o próprio nascimento...
E então recuperou tudo, em dobro...
Esta história encerra uma lição de particular importância que ninguém interpreta correctamente.
1 - Jó, pelo tipo de actos de culto que praticava e pelas intenções que neles colocava, foi o obreiro da sua própria desgraça e da da sua família (filhos)... porque prestava culto a uma entidade inferior (daquelas que nada têm que ver com as vibrações HUMANAS) que são as que têm esse tipo de comportamento de "experimentar" as pessoas, precisamente porque não sabem bem o que são;
2 - Mas Jó era íntegro e acreditava que fazia tudo certo e que, com isso, garantia o seu bem-estar e o da sua família.
3 - Quando se viu desenganado (porque essas entidades são insaciáveis na sua estupidez), manifestou a sua revolta e desespero; virou-se contra o Universo. Manifestou, de forma contundente, ao Universo que tudo o que sofria era intolerável, injusto, inadmissível.
3 - Perante isso, a própria entidade que o molestava foi obrigada a "encolher as garras" para não ser ela mesma "desmaterializada".
Além disso, não podemos esquecer que Jó era um mago treinado e eficiente e, portanto, pode ter percebido qual a forma eficaz de reverter a situação...
Seja como for, a minha recomendação para as pessoas que se sentem enganadas pelos seus deuses ou crenças, sejam els de que tipo forem, é essa mesma: reclamem, viementemente, com o Universo (e as entidades serão "metidas na ordem" porque quem as "alimenta" somos nós).
O Universo faz tudo para o nosso bem... e faz tudo errado porque é isso mesmo que as pessoas lhe transmitem. Se você se sente enganado(a), desiludido(a), reclame com o Universo e os erros serão corrigidos.
Esqueça essa de "agradecer", "aceitar", etc. Se você agradece e aceita mesmo em situações severas, está a pedir mais e pior (porque está a prolongar a vida das entidades enganadoras)... que é o que tem acontecido com a humanidade desde há milénios.
Quem advoga o "agradecer", e "aceitar" são pessoas relativamente bem instaladas na vida... ou os que são tolos, de todo.
E, principalmente, nunca invoque entidades que desconhece, que lhe levantem dúvidas por menores que sejam, ou relacionadas com sacrifícios (ou sofrimento) de qualquer espécie. Nunca aceite o sofrimento e as dificuldades (para si ou para os outros), não valorize, não diga nem repita os inúmeros disparates que se dizem por aí acerca destes assuntos.
Mas faça por merecer o respeito do Universo exigindo o bem para si e para todos os outros seres humanos. Não julgue, não acuse, não tolere nem "compreenda" apenas porque as vítimas são os outros...
Ficará surpreendido com os resultados. «»«»«»«»«» APELO! Participação Cívica e Direitos Fundamentais: -- Petição Para Valoração da Abstenção --- Assine a petição AQUI ou AQUI, ou AQUI, ou AQUI (Nota: Alguns dos sites "linkados" começaram por boicotar a petição impedindo as pessoas de assinar e, mais recentemente, suprimiram a página com as assinaturas. Apenas "Gopetition" se mantém acessível sempre) «»«» -- Denúncia de Agressão Policial --- Com actualizações AQUI e AQUI «»»»»»»»